Continuação do Caso

Demoramos algum tempo para voltar a ativa. Acontece que de alguma forma a noticia do serial killer vazou para a mídia, e nossas caixas postais ficaram tão cheias que demoramos um certo tempo para analisar o que nos foi enviado. Mas não foi em vão, descobrimos o filme e consequentemente o local do próximo ataque.
            O filme era O Colecionador de Ossos (The Boone Colector) e as pistas que encontramos em nossa cena do crime bate exatamente com um crime ocorrido no filme, e as pistas deste crime levava a um local:

                                    Ed. Woolworth
                                    Esquina da Wall e Nassau

Fomos ao tal endereço, é claro que o dito edifício Woolworth não existia, mas fomos à fundação do prédio que estava no local. E lá, no subsolo, encontramos mais um corpo. Desta vez um homem, estirado em cima de uma cama, ensangüentado, as mãos amarradas na cabeceira da cama, e no chão, um utensílio de cozinha, um picador de gelo para ser mais exata.

Agente Renata – Isto é um porão... com uma cama... acredito que o assassino quer nos dizer algo com isso, talvez de que a morte do próximo filme tem a ver com um quarto.

Agente Raiana – Está faltando um dedo na mão. Aposto que se fizermos um exame de DNA o dedo que encontramos no ultimo corpo será compatível com esta mão.

Agente Jaqueline – Vamos começar a colher as pistas, não temos tempo a perder!

Agente Raiana – Senhoritas aguardem um instante... De onde vem essa musica?

Silencio no ambiente, todas prestaram atenção tentando encontrar a fonte geradora da música.

Ag. Renata – eu conheço essa música... é U2...

Ag. Raiana – Sim, é the saints are coming...

Ag. Jaqueline – Ali! A caixa de som está em cima daquele cano!

Ag. Renata – Tudo bem, a levaremos junto com o restante das provas.

Ag. Raiana – Ok então! Vamos começar!

Relação de pistas encontradas:
- Aparelhagem de som
- Um chapéu de cowboy
- Um picador de gelo
- Um encharpe de seda branco

Descrição da cena do crime:
Porão, cheio de quinquilharias do prédio, mas no local onde foi encontrado o corpo os móveis foram arrastados, permanecendo a cama no centro e os móveis ao redor. Havia um corpo estendido sobre a cama, um homem, nu, com os braços atados a cabeceira da cama com o encharpe branco, e um chapéu de cowboy colocado cuidadosamente sobre uma das cabeceiras. O ambiente era pobremente iluminado excetuando por duas pequenas lâmpadas de baixa capacidade que se encontravam focadas sobre a cama.

            Já no escritório, as agentes discutiam sobre as provas:

Ag. Raiana – Como a própria agente Renata disse, a cena do crime remonta um quanro, então talvez a aparelhagem de som faça parte dos elementos que encontramos.

Ag. Jaqueline – Segundo a autópsia, os furos no corpo são compatíveis em diâmetro com o outro objeto encontrado, o picador de gelo.

Ag. Raiana – Então a causa mortis do nosso corpo foi por causa disso??? ... ... que triste...

Ag Renata – No chapéu não foi encontrado nenhum vestígio de DNA, o material do chapéu é novo também, provavelmente  foi comprado só pra compor a cena do crime.

Ag. Jaqueline – A aparelhagem, o echarpe e o piso estão limpos também.

Ag. Raiana – Novamente sem material genético externo...

Ag. Jaqueline – Vamos fazer a analise de algumas provas, acredito que elas farão mais sentido assim.

Ag. Renata – Vamos divulgar as provas encontradas também, fomos bem sucedidos com a divulgação, vamos tornar isso uma vantagem...

Análise em Breve
1 Response
  1. Equipe Says:

    Isso me parece Jogos Mortais. Macabro! rsrs